O que eu fui buscar na Índia?

Como fotógrafo, videomaker e documentarista, ter feito esta viagem à Índia foi para mim algo que não vou esquecer jamais.

A Índia nunca tinha sido para mim, um destino provável. Eu nunca havia imaginado estar alí. Lembro de assistir a documentários e programas de tv sobre o país e ficar simplesmente de boca aberta vendo tudo aquilo. Como tudo era tão diferente e curioso ao mesmo tempo.

Mas, nunca pensei que um dia pudesse por os pés neste país tão incrível.

Coincidentemente, no ano em que fui para a Índia, eu comecei a assistir alguns videos através do Youtube. Me chamou muito a atenção como o produtor de um canal mostrava cada uma das cidades.

Ele caminhava por muito tempo pelas ruas, vielas. Alguns videos chegavam ter até duas horas de duração.

E eu acabei ficando viciando assistindo ele caminhar pelo país e aquilo me fascinava muito. Era como se eu também estive alí, desviando dos tuk tuks, das pessoas, esbarrando nos milhares de produtos espalhados pelas calçadas, tocando as vacas.

Aquilo me abastecia de alguma forma.

Menos de 6 meses depois, eu estava pisando na Índia e tomando um chai em Nova Délhi.

O país é riquíssimo em suas culturas (sim no plural), deuses, cores, povo, gastronomia… Basta olhar sem preconceitos e também não procurar entender ou compreender por que as coisas lá são do jeito que são.

Meu objetivo com esta viagem sempre foi captar, através da minha câmera, um pouco dessa cultura tão rica! Antes mesmo de ir comecei a me planejar o que eu gostaria de fotografar: mulheres, crianças, meios de transporte, gastronomia…

Posso afirmar que o meu objetivo foi alcançado logo nos primeiros dias. Depois, diante de tantas experiências por quais eu estava passando, resolvi também gravar alguns videos. Eu estava tão feliz, tudo o que eu sentia era tão genuíno e forte que passei a ter a urgência de dividir um pouco daquilo tudo com outras pessoas.

Procurei apenas apontar minha câmera e registrar o que eu estava vendo em cada momento. Muito do que eu vi era impossível registrar através das lentes e ficarão guardadas para sempre na minha memória e no meu coração.

E quanto mais eu postava um video ou uma foto, mais as pessoas aqui do Brasil se interessavam e pediam mais. Queriam ver mais! Queriam saber mais! Passei a me contagiar e “levar” essas pessoas comigo nesta jornada também.

O que era para ter sido uma viagem para a produção de um documentário fotográfico, terminou com um número infinito de videos, fotos, textos e um milhão de lembranças e sentimentos.

Assim que voltei da Índia, outro tipo de sentimento começou a brotar. Eu diria que vários sentimentos.

Muitas dúvidas do que eu tinha visto e sentido alí começaram a surgir.

E a maior delas: O que eu fui buscar na Índia?

Voltei há seis meses e essa dúvida ainda persiste. Dizem que uma viagem à Índia é sentida por meses, anos, pelo resto da vida.

De alguma forma, depois dessa viagem me bateu um desejo enorme de conhecer e de ir além. De sair em busca cada vez mais de outros lugares. De dividir essas experiências com outras pessoas, de motivar e, principalmente, de conhecer a mim mesmo.

Voltei diferente de lá e ainda não compreendo muitas coisas. É estranho.

Hoje eu acredito cada vez mais que Índia me escolheu.

Namastê!

Por Marcos Galinari – fotógrafo, videomaker e documentarista // www.instagram.com/marcosgalinari

 

 

 

Captura de Tela 2018-04-24 às 18.05.39

Captura de Tela 2018-02-04 às 11.50.41

desvieidarota

Olá! Que bom que você veio! Sou Marcos Galinari, fotógrafo, videomaker, documentarista e apaixonado por contar histórias! Todo mundo já deve ter ouvido falar de uma das 7 maravilhas do mundo ou de um roteiro turístico pra lá de deslumbrante não é mesmo?! Mas, o que acontece quando você literalmente desvia da rota e vai além do cartão postal? Com certeza muitas descobertas e grandes experiências! E é este o meu objetivo por aqui. Dividir com vocês muito mais do que dicas de viagens e turismo. Eu quero, através do "Desviei da Rota", poder inspirar as pessoas através das minhas viagens. Vem desviar da rota comigo!

Deixe uma resposta